Grupo Tubones: novidade musical vinda do Amazonas

0
650

Tocando um variado repertório nacional, internacional, erudito e, principalmente, regional, o Grupo Tubones, oriundo da Universidade Estadual do Amazonas, vem ganhando o coração do amazonense. Com uma proposta inovadora, e incrementando um toque refinado com um grupo de qualidade, o Professor Fabio Carmo Plácido Santos, mestre da instituição, apresenta planos muito positivos para o grupo num futuro próximo.

 

O Portal Brasil Sonoro decidiu conversar com o Professor Fábio para conhecer um pouco da iniciativa Tubones. Um apanhado geral sobre o grupo você confere agora na Entrevista do Portal com o Professor e porta-voz do grupo amazonense.

 

Entrevista de Fábio Carmo Plácido concedida ao Portal Brasil Sonoro

 

PBrS: COMO FUNCIONA A INCIATIVA DO GRUPO TUBONES?

 

Prof. Fábio: O Tubones é um coral de trombones que tem um acompanhamento de bateria também. Surgiu na Universidade do Estado do Amazonas, primeiramente como uma disciplina do curso de Música da Instituição, em 2013. Contudo, com o passar dos anos, ele se tornou um grupo bastante ativo, tocando em todas as unidades do Estado, e consequentemente outras oportunidades de apresentação foram aparecendo.

 

PBrS: COMO ESTÁ A EXPECTATIVA INTERNA DO GRUPO? QUAIS AS FUTURAS METAS?

 

Prof. Fábio: Bem, são 15 integrantes, e bastante diálogo. Temos um complemento de bateria com tuba atualmente, então estamos crescendo aos poucos. Nossas perspectivas, vendo de dentro, são as melhores possíveis para o futuro. Temos um projeto de tentar diversificar a música amazonense, que é a base de nosso projeto, que são músicas regionais. Estamos buscando apoio para tentar difundir, assim, esta música instrumental. A partir daí tentar tocar em outros estados e, quem sabe, outros países.

 

PBrS: O TUBONES REALIZA PROJETOS JUNTO A OUTROS GRUPOS MUSICAIS?

 

Prof. Fábio: Sim, temos um trabalho de divulgação de produção regional junto com compositores do estado. Há parceria com o Laboratório de Canto (curso dentro da Universidade), há trabalhos de pesquisas e vários outras formas de fazer música, não sendo apenas as apresentações. O nosso desejo é sempre fazer algo que seja próximo do público para que ele deseje consumir essa música instrumental.

 

PBrS: O PÚBLICO AMAZONENSE ESTÁ ABRAÇANDO O GRUPO?

 

Prof. Fábio: Estamos criando nosso público agora. A demanda está crescente, e consequentemente vamos conseguindo mais adeptos. Percebemos o engajamento através da internet, onde o pessoal sempre curte e compartilha as publicações do Tubones. Para se ter uma ideia, o grupo tocou no Festival Brasil de Trombones, realizado em Manaus, com Teatro lotado, e um público sedento para apreciar o Tubones. Então, aos poucos, percebemos este crescimento de carinho.

 

PBrS: SENDO O PORTA-VOZ DO GRUPO, E SENDO UM GRUPO NOVO, COMO VOCÊS ENXERGAM ESSA CRISE MUSICAL EXISTENTE NO BRASIL?

 

Prof. Fábio: É uma situação bastante complicada. A falta de investimento em cultura é nítida, e ela tem o poder de transformar e ser até um suporte para uma educação já tão precária em nosso país. Estamos tentando criar uma demanda para que o próprio sistema público tenha atenção e conceda o suporte para que continuemos tocando e fazendo arte. A cultura não pode ser escanteada jamais!

Artigo anterior“A Banda Jacques Klein é um patrimônio nosso”, afirma Prefeito de Aracati que paralisou as atividades do grupo a mais de 100 dias
Próximo artigoMúsicos da região de Iguatu reivindicam a criação de curso na Universidade Regional do Cariri (URCA)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here